Hotel reverte parte da renda a mulheres bordadeiras de Alta Floresta

COMPARTILHE!

Localizado no sul da Amazônia, o Cristalino Lodge é um refúgio dentro da imensidão que é a floresta amazônica. Mas o prestigiado ecolodge, iniciativa da conservacionista Vitória Da Riva, tem uma preocupação com o bem-estar da comunidade ao redor, o município de Alta Floresta (MT).

Através da Fundação Ecológica Cristalino, o empreendimento desenvolve iniciativas de educação ambiental, pesquisa e sustentabilidade, criação de alternativas econômicas e minimização de impactos ambientais, entre outras ações.

A mais recente delas é o Projeto Fortalecer que ensina uma nova oportunidade de negócio para mulheres na região. Por meio de workshops de bordado artesanal e o ensino de técnicas para a confecção de sacolas, bolsas, camiseta e vestimentas, a iniciativa ainda treina as artesãs a planejar seu negócio, identificar potenciais clientes, criar conteúdo para mídias sociais, além de planejamento financeiro e técnicas de vendas.

Quem quiser ajudar praticando o turismo responsável e aderindo ao “novo normal” em que o trabalho pode ser feito remoto de qualquer lugar do país, o Cristalino Lodge está oferecendo descontos progressivos que começam em 10% e podem chegar até 40% para estadas mais longas, válidos para qualquer acomodação.

O Cristalino Lodge possui internet em alta velocidade e muitos dos bangalôs são equipados com mesa de leitura e vista para a natureza. Afinal, não há nada melhor do que realizar isolamento social neste refúgio, rodeado de ar puro e com todo o requinte de um dos melhores lodges do planeta.Alta FlorestaCrédito: Samuel Melim/DivulgaçãoUm dos Bangalôs do Cristalino Lodge

E para complementar, parte do valor cobrado na hospedagem para a taxa destinada a Fundação Cristalino será revertida para o Projeto Fortalecer. Os workshops para a formação de bordadeiras de Alta Floresta terão início no primeiro semestre de 2021 e incluem 10 dias de treinamento que serão ministrados por profissionais gabaritados da área.

A ideia é que as bordadeiras aprendam não somente as técnicas de bordar, mas também a comercializar seus trabalhos, criando produtos de artesanato que beneficiam toda a cadeia do turismo regional.

Fonte: https://catracalivre.com.br/viagem-livre/hotel-reverte-parte-da-renda-a-mulheres-bordadeiras-de-alta-floresta/