Estudo aponta incidência maior de Covid entre professores em SP

COMPARTILHE!

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Na véspera do retorno às aulas presenciais nas escolas estaduais de São Paulo, levantamento elaborado por pesquisadores da Rede Escola Pública e Universidade (Repu) indica que a incidência de Covid entre professores no início deste ano foi maior do que a registrada na população em geral.

Os dados para a análise foram coletados por professores ligados a Apeoesp (sindicato dos docentes da rede paulista).
A nota técnica elenca ainda inconsistências nas informações sobre a infecção nas escolas divulgadas pela Secretaria da Educação da gestão João Doria (PSDB).

Hoje, sabe-se que crianças adoecem com menos gravidade de Covid e não são as principais disseminadoras do coronavírus.

Estudos mostram que, se protocolos sanitários forem seguidos, o retorno presencial pode ser seguro. Por outro lado, sindicatos de educadores, resistentes à volta sem vacinação, têm manifestado a impossibilidade de cumprimento desses protocolos diante da estrutura das escolas, o que o governo estadual nega.

Recentemente, a Secretaria Estadual da Educação divulgou boletim epidemiológico sobre as infecções por Covid na comunidade escolar entre janeiro e março e concluiu que a incidência do vírus nos colégios foi menor do que fora deles. A nota técnica divulgada pelos pesquisadores contesta essa afirmação e outras declarações do boletim.

Ela foi elaborada pelos professores Ana Paula Corti e Leonardo Crochik, do IFSP (Instituto Federal de São Paulo), Débora Cristina Goulart, da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), e Fernando Cássio e Salomão Ximenes, ambos da UFABC (federal do ABC).

A coleta dos dados analisados por eles foi feita por professores ligados a subsedes da Apeoesp. Eles levantaram informações sobre casos confirmados em 299 escolas estaduais entre 7 de fevereiro e 6 de março.

Os 299 colégios entraram na análise final por terem os dados completos. Ao final do trabalho, a incidência entre os educadores foi comparada com da população de 25 a 59 anos do estado -a escolha se justifica pelo fato de docentes com 60 anos ou mais terem permanecido em trabalho remoto.

Os pesquisadores chegaram a pedir ao governo os dados oficiais de infecção especificamente em professores e funcionários, entre outros, via Lei de Acesso à Informação, mas o pedido não foi respondido sob a justificativa de que o estado já havia divulgado o boletim epidemiológico -a base de dados, incluindo detalhamento sobre infecção em professores, não foi tornada pública, no entanto.

Diante da negativa, a Repu optou por utilizar os dados coletados pelos docentes das subsedes da Apeoesp.

Eles mostram que, nas unidades analisadas, a incidência de Covid-19 entre professores foi quase o triplo da registrada na população de 25 a 59 anos de São Paulo (2.256 por 100 mil habitantes contra 773,1 por 100 mil).

O levantamento revela ainda que, ao longo do período analisado, em que houve recrudescimento geral dos casos de Covid no país, o aumento da incidência entre os docentes foi de 138%, contra 81% do registrado na população comparada.
Com isso, os pesquisadores concluem que a retomada das atividades presenciais na rede estadual não pode ser considerada segura.

As unidades pesquisadas estão localizadas em 15 municípios do estado, dos quais 13 na região metropolitana. Os 15 são Arujá, Caieiras, Cajamar, Ferraz de Vasconcelos, Francisco Morato, Franco da Rocha, Guarulhos, Hortolândia, Mairiporã, Osasco, Poá, Santa Isabel, Santo André, São Paulo e Sumaré.

As 299 escolas analisadas correspondem a 4% da rede estadual. Apesar da limitação da amostra, é o único estudo até o momento a estimar a incidência especificamente entre professores da rede estadual após a reabertura neste ano.

O boletim divulgado no início de março pela Secretaria da Educação da gestão Doria mostra a taxa de incidência da Covid na comunidade escolar como um todo, para concluir que ela era “33 vezes menor que a do estado”.

Para isso, a secretaria juntou no cálculo alunos, professores e funcionários das escolas. E considerou na população geral estudantes que não chegaram a ir à escola.

Na nota técnica divulgada nesta terça-feira, os pesquisadores da Repu fazem outras críticas ao boletim epidemiológico.

Entre elas está a decisão de calcular uma única taxa de incidência para alunos, professores e funcionários, o que dilui os números das infecções dos servidores em meio aos das crianças, que são menos propensas a desenvolver a Covid de forma grave e sintomática e representam 92,6% da população escolar.

Outra crítica ao boletim oficial é a inclusão da comunidade escolar das unidades municipais, uma vez que a notificação dos casos da rede municipal é opcional para a maioria das cidades.

A reportagem indagou à Secretaria da Educação qual a incidência de casos registrados oficialmente entre professores. A pasta citou incertezas e respondeu que não foi realizado um recorte específico sobre os profissionais e justificou que seu monitoramento se dá sobre toda a comunidade escolar.

“O uso de dados gerais foi o número confiável a ser utilizado diante das incertezas, como metodologia possível”, afirma nota enviada pela gestão Doria.

A Secretaria diz ainda que o fornecimento de dados das redes municipais cabe aos municípios e que parte deles, como a capital paulista, optou por não alimentar a base. A pasta não explicou, no entanto por que então o número de alunos da rede municipal foi incluído na população de referência do boletim.

Estudo recém apresentado pela Universidade de Zurique e pelo Banco Interamericano concluiu que a volta às aulas não afetou o ritmo da pandemia de Covid-19 nos 131 municípios paulistas que reabriram escolas de outubro a dezembro do ano passado, na comparação com os que não abriram.

O estudo levou em consideração o dado informado pela Secretaria Estadual da Educação de que quase 2 milhões de alunos frequentaram a escola no período. A nota técnica da Repu afirma que o número está exagerado, pois muitos dos 3,6 milhões de estudantes decidiram não retornar no ano passado.

A Secretaria da Educação afirma que a frequência dos estudantes foi comprovada pelas atividades e avaliações que foram feitas em sala de aula.

Notícias ao Minuto Brasil – Brasil
Read More