Seleção vai do neutro ao politizado no Twitter após Brasil assumir Copa América

Seleção vai do neutro ao politizado no Twitter após Brasil assumir Copa América
COMPARTILHE!

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Usuários de direita e de esquerda no Twitter se manifestavam sobre a seleção brasileira de forma semelhante até o último dia 31. Após o anúncio do Brasil como sede da Copa América, com apoio do governo Bolsonaro, a discussão na rede social polarizou.

O diagnóstico tem como base o GPS Ideológico, ferramenta do jornal Folha de S.Paulo que analisa a discussão política na rede social. A partir de um modelo estatístico, 1,7 milhão de usuários foram posicionados em uma reta, considerando os perfis que essas contas seguem.

Um usuário que segue, por exemplo, os ex-presidentes petistas Lula e Dilma fica próximo de outro que segue o candidato a presidente em 2018 Guilherme Boulos (PSOL) e o governador Flávio Dino (PCdoB).

Ambos, porém, ficam praticamente no ponto oposto na reta de outro usuário que segue o presidente Jair Bolsonaro e o escritor Olavo de Carvalho.

A reportagem analisou como se comportaram nos diferentes grupos ideológicos mensagens postadas e encaminhadas (retuitadas) que continham termos como “seleção”, “Casemiro” (um dos capitães do time), “Tite” e “Neymar”.

Antes do anúncio da mudança de sede, os usuários pareciam não considerar o perfil de uma conta para encaminhar (retuitar) posts que continham essas palavras ligadas à seleção.

Um usuário mais à esquerda tendia a retuitar mensagem ligada à seleção de outro usuário mais à direita (e vice-versa).

O panorama mudou após a Argentina anunciar que não poderia mais sediar o torneio, por causa da escalada da pandemia de Covid-19 no país. No dia seguinte à desistência dos argentinos, o Brasil foi escolhido como nova sede, com apoio do governo federal.

Jogadores da seleção e a comissão técnica demonstraram contrariedade com a mudança, dizendo que souberam da alteração pela imprensa e reclamaram da maneira como a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) conduziu o processo, sem consultar atletas e membros da comissão.

Após essa sequência de fatos, os usuários apresentaram a tendência de retuitar mensagens de contas mais próximas ideologicamente.

Considerando os tuítes com o termo “Tite”, antes da mudança da sede, os usuários retuitavam em média mensagens de pessoas 28 pontos distantes de sua posição na reta ideológica (medida em 100 pontos). Após a mudança e a reclamação da equipe, a medida caiu para 15 pontos.

Isso que significa que caiu quase pela metade a distância ideológica entre quem posta e quem retuita mensagens que citaram o treinador, o que denota uma polarização sobre o tema, pois as pessoas passaram a reproduzir mensagens de contas mais próximas ideologicamente.

Para essa análise, o 1,7 milhão de usuários foram divididos em 100 posições (pontos) na reta, sendo 0 o ponto mais à esquerda ideologicamente, e o 100, a extremidade mais à direita.

Considerando o termo “seleção”, a distância ideológica caiu de 23 pontos na reta para 17.

Dois tuítes podem exemplificar essa mudança. O primeiro, de 30 de maio, foi retuitado em média por usuários que estavam 40 pontos distantes do autor na reta ideológica. Ele teve esse grande alcance mesmo com a utilização de teor violento: “Tomara q nessa fase violenta do Rodrigo Caio ele tenha mais um surto psicótico e tb agrida o Tite”.

O outro tuíte, depois de o Brasil assumir a organização do torneio, foi retuitado por usuários que estavam apenas 3 pontos distantes, em média, na reta: “A direita vai derrubar o petista Tite … quer apostar ? (…) Fora Tite”.

Filho do presidente Jair Bolsonaro, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) chamou o técnico de “puxa-saco de Lula”. O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) também criticou o treinador e sugeriu que Tite fosse trabalhar no Cuiabá caso não quisesse seguir no comando da seleção.

As mensagens relacionadas a Tite e Casemiro ficaram mais polarizadas após começar a circular informação de que a equipe estava insatisfeita com a Copa América, três dias após a mudança da sede.

Os tuítes referentes ao termo seleção já ficaram polarizados assim que a sede foi alterada.

Essa mudança de comportamento na rede social, quando considerados Tite, Casemiro ou o termo seleção, não se repetiu com as mensagens que citavam o atacante Neymar (usuários de direita seguiram retuitando posts de contas de esquerda, quando mencionavam o atacante).

Em outra forma de medir a polarização do tema, a reportagem também analisou o volume de tuítes postados relacionados à seleção.

Antes da mudança de sede, usuários de direita, de centro e de esquerda postaram em número semelhante mensagens contendo os nomes Tite e Casemiro, por exemplo.

Depois, as duas pontas (esquerda e direita) aumentaram o volume de mensagens, um comportamento parecido ao de tuítes com clara inclinação politizada, como os que contêm a palavra Bolsonaro (com as pontas tuitando muito mais que o centro).

Notícias ao Minuto Brasil – Esporte
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *