Bem-vindo(a). Hoje é - Alta Floresta - MT
Anúncio Anúncio

Começa vazio sanitário em Mato Grosso para controle da ferrugem da soja

Começa vazio sanitário em Mato Grosso para controle da ferrugem da soja
Nos siga no Instagram para receber as notícias em primeira mão!

O vazio sanitário da soja começa e termina em 15 de setembro período que está proibido também o cultivo de soja e a medida visa o controle da ferrugem asiática da soja.  Fazendeiros que desrespeitarem podem ser autuados ou multados em 30 UPFs (Unidade Padrão Fiscal) mais 2 UPFs por cada hectare de planta não eliminada.

A ferrugem pode gerar prejuízos de até 20% por safra, desfolha precoce da planta e má formação dos grãos, impacatando negativamente na produtividade.

As entidades que reúnem produtores de soja reforçam as orientações sobre esse período do vazio. A gerente de Defesa Agrícola da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT), Jerusa Rech, afirmou que esse período é importante para o setor, uma vez que 90 dias são suficientes para evitar a contaminação e proteger as lavouras da ferrugem asiática, doença que tem um alto índice de danos. “O período do vazio é a principal medida fitossanitária na prevenção da ferrugem asiática da soja e ela tem como objetivo reduzir a sobrevivência do fungo causador da doença no período da entressafra”, explicou.

O diretor de pesquisas da Fundação Rio Verde, em Lucas do Rio Verde, Fabio Pittelkow, avalia que  “é importantíssimo fazer o monitoramento dos campos de produção para evitar as plantas hospedeiras e seguir toda a regulamentação que obriga a manter as áreas cultiváveis sem a presença da planta de soja verde” e que o vazio sanitário é essencial para produção de grãos no país e qualifica o período como uma “ferramenta estratégica” para o manejo de ferrugem, que ao longo dos anos mostrou-se muito eficiente

“Este período serve principalmente para eliminar a ponte verde da planta de soja que é a hospedeira. Os 90 dias regulamentados no país todo, sem a cultura no campo, serve como impedimento para proliferação desse patógeno nas lavouras e nos últimos anos tem se mostrado uma ferramenta extremamente eficiente para combater a Ferrugem Asiática, que é a principal doença da cultura”, acrescentou, através da assessoria.

Agronotícias – Só Notícias
Read More

COMPARTILHE!