Bem-vindo(a). Hoje é - Alta Floresta - MT
Anúncio Anúncio

Diretores da Aprosoja Mato Grosso conhecem principais portos no ‘Arco Norte’ que reduzem preço do frete

Diretores da Aprosoja Mato Grosso conhecem principais portos no ‘Arco Norte’ que reduzem preço do frete
Nos siga no Instagram para receber as notícias em primeira mão!

Diretores da Associação dos Produtores de Milho e Soja de Mato Grosso (Aprosoja-MT) conheceram a estrutura dos principais portos da região Norte, que são corredores de escoamento de 50% das exportações de grãos de Mato Grosso. Em Porto Velho, Rondônia, estiveram na ETCs de Porto Chuelo e Cujubim, em Manaus (Amazonas), um estaleiro de uma empresa, depois o porto de Itacoatiara e onde também houve visita técnica ao estaleiro de outra grande empresa de armazenagem de grãos, No Pará, eles acompanharram as operações das ETCs de Miritituba e Itapacurá, em Itaiatuba, visitou o porto de Santarém, e os portos de Vila do Conde, em Belém. Em Macapá, no Amapá, conheceram o funcionamento do porto de Santana.

O presidente Fernando Cadore disse que estão conhecendo como processo funciona, esclarecendo dúvidas e compreendendo a tecnologia que envolve outras áreas envolvidas na produção, mas que estão da porteira para fora da propriedade. “Visitamos empresas que se especializaram na fabricação de embarcações, processo que detém alta tecnologia e que realmente impressiona muito de ver como funciona. Outro ponto importante é ver os números do transporte fluvial: um comboio de barcaças com um empurrador e três motores é equivalente a mil caminhões de 37 toneladas”.

O presidente acrescenta que há diversos benefícios com a retirada de caminhões das rodovias, entre eles, o ambiental e o econômico. Além disso, a tendência é tornar o tráfego nas estradas mais seguro para a população, que seria beneficiada também com a redução dos preços dos produtos nas prateleiras dos supermercados.

“A pauta da logística é hoje uma prioridade para a entidade, que já vem trabalhando em prol da modernização do licenciamento ambiental, porque o Brasil não pode ser diferente do restante do mundo e esbarrar em tantos entraves que impeçam o desenvolvimento não só da agricultura, como da sociedade de maneira geral”, avaliou.

O diretor executivo do Movimento Pró-Logística, Edeon Vaz, acrescenta que os portos do Arco Norte são importantes para o Brasil e, principalmente, para Mato Grosso. São três grandes corredores logísticos voltados para o Norte – BR-364 ao Rio Madeira, em Rondônia; BR-163 ao Rio Tapajós, no Pará; e o terceiro da BR-158 à ferrovia Norte-Sul (FNS). “Foi uma ação importante, pois só no corredor da BR-364 tem capacidade de embarque ou escoamento de 16 milhões de toneladas e no corredor da BR-163, a capacidade chega a 19 milhões de toneladas”, afirma Vaz.

A expectativa para a safra 2021/2022 é de que esses dois corredores sejam responsáveis pelo escoamento de aproximadamente 24 milhões de toneladas de grãos, sendo 11 milhões pela BR-364 e 13 milhões pela BR-163, com crescimento previsto de 1 milhão de toneladas ao ano, na primeira, e de 3 milhões ao ano, na segunda.

“É importante frisar que a saída pelo Arco Norte significa uma redução significativa do custo de fretes, já que o transporte hidroviário representa 40% do valor do transporte rodoviário, além de mais econômico, é a opção mais ecológica que existe”, acrescenta Edeon Vaz, que fez questão de incluir Macapá no roteiro por se tratar de uma alternativa importante para escoamento a partir da Estação de Transbordo (ETC) de Mirituba, no Pará.

A informação é da assessoria da Aprosoja.

 

Agronotícias – Só Notícias
Read More

COMPARTILHE!