Bem-vindo(a). Hoje é - Alta Floresta - MT
Anúncio Anúncio

Mortes provocadas por dengue disparam no estado de São Paulo

Mortes provocadas por dengue disparam no estado de São Paulo
Nos siga no Instagram para receber as notícias em primeira mão!

(FOLHAPRESS) – O número de mortes por dengue no estado de São Paulo nos cinco primeiros meses deste ano é ao menos 139% maior do que em todo o ano passado, de acordo com dados da Secretaria de Estado da Saúde e do Ministério da Saúde.

Segundo boletim epidemiológico do ministério, no ano passado, a doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti ​provocou 63 mortes em São Paulo -este dado é reportado pela gestão paulista à pasta.

Neste ano, de janeiro até o dia 17 do mês passado, houve 134 óbitos no estado, também de acordo com mesmo boletim do ministério.

Já a secretaria paulista, com informações mais atualizadas, diz que, neste ano, até o último dia 24, ocorreram 151 mortes. A pasta da gestão de Rodrigo Garcia (PSDB) não forneceu à reportagem o número observado no mesmo período do ano passado.

A soma também supera a registrada em 2020 inteiro, quando houve 144 mortes, porém fica abaixo em relação à de 2019, quando houve 273.

Nos anos anteriores, as mortes se concentraram nos primeiros meses de ano. De janeiro a maio de 2019, por exemplo, houve 234 mortes. No mesmo período de 2020, foram 129, e, no de 2021, 45.

Nacionalmente, a última estatística do Ministério da Saúde também contabiliza dados de mortes até 17 de maio. Na comparação com os de 2021 inteiro, o total de óbitos teve alta de 55% -de 246 registros para 382.

Segundo a pasta federal, o coeficiente de letalidade por 100 mil habitantes no estado de São Paulo é de 0,07. A média nacional é de 0,05.

O número de casos confirmados em São Paulo também é maior agora do que o de 2021 inteiro.

De janeiro até 24 de maio deste ano, o governo paulista havia registrado 194,6 mil pacientes infectados nos municípios do estado, contra 141.049 dos 12 meses do ano passado -38% a mais.

Segundo a Secretaria de Estado da Saúde, o número de casos é deste ano é “quase 71% menor que 2015, pior ano da doença”, e o de óbitos, 69% inferior. “Os dados deste ano também são inferiores que o mesmo período em anos de sazonalidade da doença, como 2019, por exemplo, sendo 49% menores com relação aos casos e 37% quanto aos óbitos”, acrescentou a pasta.

O governo Rodrigo Garcia (PSDB) afirma que disponibilizou R$ 10,7 milhões no apoio a prefeituras para controle da dengue, zika e chikungunya.

“Os 291 municípios beneficiados foram selecionados com base nos indicadores epidemiológicos e entomológicos”, diz a secretaria. “Os recursos serão utilizados em ações de combate à disseminação do mosquito transmissor e monitoramento dos casos notificados.”

Sem mortes registradas, a cidade de São Paulo igualmente enfrenta alta de casos. Neste ano, 8.665 pessoas tiveram dengue contra 7.426 de todo 2021, ou seja, já há 17% a mais de infectados atualmente contra o ano passado inteiro.

Luiz Artur Caldeira, diretor da Coordenadoria de Vigilância em Saúde da capital paulista, não vê como uma disparada o aumento no número de casos e aponta a sazonalidade provocada principalmente pelo clima, para a alta atual.

Entretanto, ele diz que em 2023 os indicadores devem ser ainda maiores. “A tendência é que de cinco em cinco anos há um aumento importante na proliferação do mosquito, por causa das condições climáticas.”

Caldeira cita o alto número de infectados em 2019, com quase 16,7 mil casos no município, como o início de alta anual dos casos

“Temos equipes destinadas em combater o vetor que trabalham o ano todo, mas quando chega na sazonalidade, fazem um combate mais intensivo”, afirma.

Segundo ele, quando há notificação, a unidade de vigilância em saúde da região onde mora o paciente vai até a região para fazer varredura casa a casa, com ações nas ruas e quarteirões próximos para tentar eliminar criadouros e fazer nebulização.

O diretor da Covisa, porém, alerta para a dificuldade que equipes de combate ao mosquito têm enfrentado para fiscalizar possíveis criadouros. Segundo ele, entre 30% e 40% dos domicílios impedem a entrada dos cerca de 2.500 agentes da prefeitura.

De olho na alta de 2023, já nos meses finais deste ano, quando a proliferação do Aaedes aegypti é menor -a explosão de casos geralmente ocorre entre março e maio, por causa de dias quentes e chuvas-, a saúde municipal pretende intensificar o trabalho de vigilância epidemiológica, ou seja, antes da sazonalidade vai captar e analisar amostras de mosquitos.

“Com a vigilância entomológica, pretendemos bloquear a transmissão antes mesmo de a doença chegar às pessoas”, afirma Caldeira. “Estamos redesenhando as equipes para que façam o combate com larvicida e inseticida, identificando precocemente o problema.”

EM TODA A CIDADE

No fim de maio, a Vila Matilde, na zona leste, tinha a maior incidência de casos, com 247,4 infectados por 100 mil habitantes.

Mas, no ranking dos dez bairros com maiores índices, observa-se que o vírus está espalhado tanto em bairros da periferia quanto em bairros nobres, como o Itaim Bibi.

Para Maria Anice Mureb Sallum, professora do Departamento de Epidemiologia da Faculdade de Saúde Pública da USP (Universidade de São Paulo), é importante considerar os fatores sociais na dinâmica de transmissão em áreas ricas e pobres. “Não adianta ter uma medida de controle única para a cidade inteira, não funciona. É preciso adaptar, de acordo com a situação local.”

No caso das periferias, explica, a urbanização acelerada, com construções sem infraestrutura básica, é um agravante para a proliferação de arboviroses, doenças transmitidas por mosquito.

“Isso é evidente em São Paulo e também em outras regiões do Brasil, como no Nordeste e no Amazonas”, diz a professora, que cita falta de saneamento e distribuição de água como fatores para o aumento de pacientes.

O Ministério da Saúde registrou até 24 de maio 1.036.505 casos prováveis de dengue em todo o país. Quando comparado com o mesmo período de 2021, ocorreu um aumento de 191,3%.

Segundo a professora, em geral no país as medidas de controle do Aedes foram reduzidas ou descontinuadas durante os dois primeiros anos da pandemia de Covid-19. E a diminuição no controle favoreceu tanto a presença quanto o aumento da densidade do mosquito.

Outro fator importante, explica, é a emergência do sorotipo 1 da dengue que, segundo ela, não circulava no Brasil desde o início dos anos 2000, e está de volta. “Quando emerge um sorotipo que não circulava há quase 20 anos, muita gente que não teve contato com ele pode ser contaminada.”

Em nota, a Secretaria de Estado da Saúde lembra que enfrentamento ao mosquito aedes aegypti é uma tarefa contínua e coletiva. E cita medidas de prevenção para não acumular água, que vão da eliminação de possíveis criadouros e limpeza.

A Prefeitura de São Paulo afirma que no ano passado foram realizadas, 4,9 milhões de ações contra a dengue. Neste ano, o número já atinge cerca de 2,2 milhão de operações.

O Ministério da Saúde diz que diante do cenário de aumento de casos de dengue, no início do mês de maio foi instalada a Sala de Situação de Arboviroses, para intensificar as ações junto a estados e municípios.

A pasta federal diz ainda que foi enviado aos estados 49,8 milhões de pastilhas de larvicida para o tratamento de recipientes de água. “Neste período, foram distribuídos 5.099 Kg do inseticida para o tratamento residual em pontos estratégicos, como borracharias e, ferros-velhos. E para aplicação espacial (UBV), foram direcionados às UF 208.350 litros de Imidacloprido 3% + Praletrina 0,75%.”

Fonte: Notícias Ao Minuto
Artigo extraído do site www.noticiasaominuto.com.br

COMPARTILHE!