Bem-vindo(a). Hoje é - Alta Floresta - MT
Anúncio Anúncio

Adolescentes diminuem uso de camisinha em relações sexuais, indica IBGE

Adolescentes diminuem uso de camisinha em relações sexuais, indica IBGE
Nos siga no Instagram para receber as notícias em primeira mão!

(FOLHAPRESS) – Ao longo de uma década, o percentual de adolescentes que usaram camisinha em relações sexuais recuou nas metrópoles brasileiras, aponta análise divulgada nesta quarta-feira (13) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O levantamento em questão avalia indicadores da série histórica da PeNSE (Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar), que contempla o período de 2009 a 2019. Os dados divulgados abrangem estudantes do 9º ano do ensino fundamental (antiga 8ª série) das redes pública e privada nas capitais.

De 2009 para 2019, entre os jovens que já haviam iniciado a vida sexual, o percentual que relatou uso de camisinha na última relação caiu de 72,5% para 59%.

“Esse é um resultado que expressa preocupação, pois a tendência segue uma direção que indica maior exposição aos riscos”, diz a análise, que chama atenção para as ameaças de doenças sexualmente transmissíveis e casos de gravidez precoce.

“Com efeito, há necessidade de ampliar e/ou fortalecer ações de orientação aos adolescentes às práticas sexuais seguras”, acrescenta.

Entre as garotas, o percentual que relatou uso de preservativo nas relações com parceiros recuou de 69,1% para 53,5% entre 2009 e 2019. No caso dos garotos, a queda apurada foi de 74,1% para 62,8% no mesmo período.

A PeNSE já teve quatro edições: 2009, 2012, 2015 e 2019. O percentual de uso de algum método de prevenção de gravidez -camisinha e outros- também caiu. Passou de 79,6% em 2012, ano inicial da série desse indicador, para 69,6% em 2019.

A redução foi mais acentuada entre os alunos da rede pública (de 79,5% para 69,1%) do que entre os jovens de instituições privadas (de 80,3% para 72,3%).

A análise aponta que o 9º ano do ensino fundamental reúne 90% dos estudantes com idades de 13 a 15 anos, “período em que tem se dado a iniciação sexual para grande parte de meninos e meninas”.

Em 2009, 27,9% dos alunos desse nível nas capitais já tinham tido relações sexuais. Em 2019, o percentual alcançou 28,5%.
Entre as meninas, a fatia aumentou de 16,9% para 22,6%. No caso dos meninos, caiu de 40,2% para 34,6% em igual intervalo.

Cigarro, álcool e outras drogas O levantamento traz ainda outros indicadores sobre a saúde dos adolescentes, como o consumo de tabaco, bebidas alcoólicas e outras drogas.

O percentual de estudantes do 9º ano do ensino fundamental que fumaram cigarro alguma vez na vida recuou de 22,9% para 21% entre 2009 e 2019.

A fatia que experimentou bebida alcoólica cresceu de 52,9% em 2012 para 63,2% em 2019. Esse aumento foi mais intenso entre as meninas. Elas saíram de 55% em 2012 para 67,4% em 2019. Entre os meninos, o indicador pulou de 50,4% para 58,8% em igual período.

Já o percentual de alunos do 9º ano que usaram outras drogas alguma vez na vida subiu de 8,2% em 2009 para 12,1% em 2019.

O IBGE afirma que a análise da série histórica tem caráter experimental, já que as estatísticas ainda estão em fase de teste e sob avaliação.

A PeNSE é realizada pelo instituto em parceria com o Ministério da Saúde e com o apoio do Ministério da Educação.

A pesquisa fornece informações colhidas diretamente dos escolares por meio de um questionário eletrônico autoaplicável.

Fonte: Notícias Ao Minuto
Artigo extraído do site www.noticiasaominuto.com.br

COMPARTILHE!