Bem-vindo(a). Hoje é - Alta Floresta - MT
Anúncio Anúncio

Metade dos republicanos rejeita Trump como candidato em 2024, diz pesquisa

Metade dos republicanos rejeita Trump como candidato em 2024, diz pesquisa
Nos siga no Instagram para receber as notícias em primeira mão!

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Pesquisa divulgada pelo jornal The New York Times nesta terça-feira (12) indica que o ex-presidente Donald Trump não é propriamente uma unanimidade entre os republicanos -64% dos eleitores do partido com menos de 35 anos e 65% dos que têm diploma universitário afirmaram que votariam contra ele nas primárias para definir o candidato presidencial da legenda em 2024.

Ainda assim, Trump mantém certa primazia. Em uma concorrência hipotética contra cinco rivais, 49% dos entrevistados o apoiariam para a disputa, segundo a pesquisa feita em parceria com o Siena College. Mas, sob o ângulo do copo vazio, os números indicam a perda do apoio de metade dos eleitores do partido.

A perda de prestígio parece ter sido causada pela postura de Trump de rejeitar o resultado das eleições de 2020 sob a alegação de fraudes nunca comprovadas e pela invasão de seus apoiadores ao Capitólio, em 6 de janeiro de 2021. Enquanto 75% dos eleitores afirmaram que o ex-presidente estava “apenas exercendo seu direito de contestar a eleição”, quase um em cada cinco disse que ele “foi tão longe a ponto de ameaçar a democracia americana”.

A maior ameaça a Trump no partido é o governador da Flórida, Ron DeSantis, indicado por 25% dos eleitores. Ele é o preferido dos republicanos mais jovens, entre os que têm diploma universitário e aqueles que disseram ter votado no democrata Joe Biden em 2020.

Em terceiro lugar, bem atrás de DeSantis, estão o senador pelo Texas Ted Cruz, com apenas 7% das intenções de voto nas primárias, e Mike Pence, ex-vice de Trump, com 6%.

Entre aqueles que votaram em Trump em 2020, 44% disseram ter uma opinião muito favorável a DeSantis -46% afirmaram o mesmo sobre o ex-presidente.

Trump não necessariamente entraria nas primárias com uma vantagem insuperável, indica a pesquisa. A porcentagem do eleitorado republicano que o apoia é menor do que a de Hillary Clinton entre democratas no início da corrida de 2016, quando ela era vista como a favorita incontornável, mas mesmo assim enfrentou uma competição longa nas primárias contra o senador Bernie Sanders.

A pesquisa sugere ainda que os temores republicanos sobre uma candidatura de Trump podem ter fundamento: ele ficou atrás do presidente Joe Biden (44% a 41%) na pergunta sobre uma hipotética revanche da disputa de 2020 -apesar da queda do apoio ao atual presidente.

Foram entrevistados por telefone 849 eleitores americanos em todo o país, entre 5 e 7 de julho. A margem de erro é de 4,1 pontos.

No dia anterior, a mesma pesquisa mostrou os baixos níveis de aprovação de Biden. Entre eleitores do Partido Democrata, só 26% dizem desejar ver o presidente concorrendo à reeleição em 2024, enquanto outros 64% afirmam esperar que a legenda tenha outro nome na disputa. Biden, 79, já disse que pretende buscar um segundo mandato.

A crise de imagem se reflete em uma sensação de pessimismo, com só 13% das pessoas dizendo ver o país no rumo certo. O número é o mais baixo na série do NYT desde 2008, época do auge da crise financeira global, no final da gestão de George W. Bush. E o sentimento é generalizado, quando se analisam os recortes por região do país, idade, cor da pele e preferência partidária.

A taxa de aprovação de seu mandato chegou a apenas 33% -a média dos levantamentos nacionais na semana passada era de 38,9%, a menor desde o início da gestão.

Trump tem passado por uma fritura durante as audiências públicas que trazem à tona o resultado de investigações sobre a invasão do Capitólio. O resultado de quase um ano de apuração vem sendo exposto em sessões conduzidas por uma comissão bipartidária da Câmara. Até agora, foram seis encontros, sendo o mais explosivo o que teve o depoimento de Cassidy Hutchinson, no final de junho.

De acordo com a ex-assessora da Casa Branca, Trump sabia que seus apoiadores estavam armados e poderiam se tornar violentos no dia da invasão, mas mesmo assim quis retirar medidas de segurança​, como os detectores de metal que impediriam a entrada no prédio com armas.

Artigo extraído do site noticiasaominuto.com.br

COMPARTILHE!