Bem-vindo(a). Hoje é - Alta Floresta - MT
Anúncio Anúncio

Zelenski diz ‘rezar’ para que saída de Johnson não diminua ajuda militar

Zelenski diz ‘rezar’ para que saída de Johnson não diminua ajuda militar
Nos siga no Instagram para receber as notícias em primeira mão!

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) – O presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, disse que irá “rezar” para que a renúncia de Boris Johnson ao cargo de líder do Partido Conservador -o que abre caminho para a escolha de um novo primeiro-ministro britânico- não impacte na rapidez da ajuda militar enviada do Reino Unido à Ucrânia.

Em entrevista à CNN americana, Zelenski disse ter “certeza que a política britânica a respeito da Ucrânia não está mudando por conta da renúncia de Boris Johnson” e que a relação entre os dois países se aprofundou após a invasão russa ao território vizinho.

“Passamos por muitos momentos dramáticos muito rapidamente. A ajuda de que precisávamos foi entregue muito rápido. Se (sua demissão) afetará esta agilidade na ajuda, eu não sei. Rezarei a Deus para que isso não afete essa ajuda”, declarou.

Após o anúncio de que Johnson sairia do cargo, feito pelo primeiro-ministro após uma série de pressões ocasionadas por mais um escândalo político no Reino Unido, Zelenski teria ligado para o inglês para expressar tristeza com a decisão dele.

“Todos nós recebemos a notícia com tristeza. Não somente eu, mas toda a sociedade ucraniana, que simpatiza muito com você”, disse Zelenski a Johnson, segundo informou o gabinete da presidência em Kiev.

Boris Johnson visitou Kiev duas vezes após o início da guerra na Ucrânia, e o Reino Unido, junto a outros aliados ocidentais reunidos na Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), tem enviado armamento para que a Ucrânia combata a Rússia em seu território.

O Kremlin, por sua vez, aproveitou a oportunidade da renúncia para criticar Johnson e seu governo, além de apontar o “fracasso” das democracias liberais.

O governo de Johnson sancionou dezenas de bilionários russos ligados ao Kremlin, e declarou que o dinheiro deles não é mais bem-vindo no Reino Unido.

“Gostaríamos de esperar que algum dia, no Reino Unido, pessoas mais profissionais, que possam tomar decisões por meio do diálogo, cheguem ao poder”, disse ontem o porta-voz do governo russo, Dmitri Peskov. “Mas, no momento, há poucas esperanças a respeito disso.”

“Ele realmente não gosta de nós. E nós, também não [gostamos dele]”, disse Peskov.

Artigo extraído do site noticiasaominuto.com.br

COMPARTILHE!