Bem-vindo(a). Hoje é - Alta Floresta - MT
Anúncio Anúncio

Israel e Jihad Islâmica acertam cessar-fogo em Gaza após ataques com 43 mortos

Israel e Jihad Islâmica acertam cessar-fogo em Gaza após ataques com 43 mortos
Nos siga no Instagram para receber as notícias em primeira mão!

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O governo de ​Israel e a Jihad Islâmica concordaram neste domingo (7) em estabelecer um cessar-fogo para interromper a série de ataques que atinge a Faixa de Gaza desde sexta (5) e deixou ao menos 43 palestinos mortos. A trégua teve início às 23h30 (17h30 no Brasil).

O acordo contou com mediação do Egito. Mais cedo, o premiê israelense, Yair Lapid, em conversa com líderes no sul do país, disse que os objetivos foram alcançados e, assim, não haveria razões para seguir com a operação militar, apelidada de Amanhecer.

Segundo um porta-voz da Jihad, o acordo envolveria o compromisso do Cairo de atuar pela libertação de duas lideranças do grupo: Bassam Saadi, preso na Cisjordânia no início da semana passada, e Khalil Awaedeh. A detenção de Saadi, aliás, foi a principal catalisadora da tensão de agora.

Um cessar-fogo inicial estava previsto para ter início às 20h do horário local. Foi atrasado, no entanto, pelas exigências conflitantes postas na mesa de negociação. Mesmo após a entrada em vigor oficial, houve registro de bombardeios em Gaza, que Israel disse serem em resposta a foguetes lançados do território, e sirenes de alerta soando no sul do país.

A trégua interrompe a série de ataques que, segundo os palestinos, vitimou especialmente civis. O Ministério da Saúde local cita entre os mortos pelo menos 15 crianças e contabiliza ainda 311 feridos. Dois membros da cúpula da Jihad também foram mortos e, neste domingo, o Hamas incluiu entre as vítimas um de seus integrantes, Muhammad Afana.

Os bombardeios foram iniciados por Israel na sexta, em resposta ao que o governo de Lapid descreveu como ameaças terroristas a militares e civis por parte dos radicais -o premiê disse ter agido de forma preventiva.

O grupo prometeu revidar, e, neste domingo, alarmes soaram em Jerusalém pela primeira vez desde a última grande escalada no conflito, em maio de 2021 -na ocasião, 11 dias de ataques deixaram dezenas de palestinos mortos. Não houve, porém, registro de vítimas.

Os últimos dados atualizados das Forças de Defesa de Israel apontam que quase 1.000 foguetes foram lançados contra o país pela Jihad desde sexta. O sistema israelense Iron Dome (domo de ferro), porém, teria sido capaz de interceptar todos os projéteis disparados em direção a áreas povoadas.

O Ministério da Defesa israelense disse ainda que três projéteis atingiram a passagem de Erez, na fronteira entre os territórios. O telhado do terminal local teria sido danificado em decorrência de um incêndio, e estilhaços podiam ser vistos no saguão de entrada.

A travessia é normalmente usada por milhares de palestinos todos os dias para trabalhar em Israel, mas foi fechada na semana passada em meio à escalada da tensão.

Francesca Albanez, relatora da ONU para territórios palestinos, disse à rede Al Jazeera que os ataques iniciados por Israel são ilegais e irresponsáveis. “A única maneira de garantir o bem-estar dos palestinos onde quer que estejam é interromper o cerco e permitir a entrada de ajuda. A situação beira uma crise humanitária.”

A ONU tem sido crítica à postura israelense. Em relatório recente, especialistas do órgão atribuíram à ocupação contínua de territórios palestinos por Israel a responsabilidade pelo ciclo de violência na região, que voltou a se intensificar nos últimos meses. Tel Aviv respondeu caracterizando o material de caça às bruxas contra o país.

Alvanez ​manifestou descontentamento com a postura dos EUA. Pouco após o início dos bombardeios em Gaza, o embaixador americano em Israel, Tom Nides, disse que os EUA “acreditam firmemente que o país tem o direito de se proteger”.

O presidente americano, Joe Biden, em recente giro pelo Oriente Médio, encontrou-se separadamente com Lapid e com o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas. Ele voltou a defender a solução de dois Estados para o conflito, ainda que reconheça que “o terreno não está maduro”. Abbas, em resposta, disse que a janela de oportunidade para acordo do tipo está se fechando.

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com.br/rss/mundo
Artigo extraído do site Notícias Ao Minuto

COMPARTILHE!