Bem-vindo(a). Hoje é - Alta Floresta - MT
Anúncio Anúncio

‘Urgente recuperar cobertura’, diz Queiroga sobre vacinação contra pólio

‘Urgente recuperar cobertura’, diz Queiroga sobre vacinação contra pólio
Nos siga no Instagram para receber as notícias em primeira mão!

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) – O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, fez um apelo neste domingo (7) a pais e responsáveis para vacinarem as crianças contra a poliomielite e disse ser “inaceitável” que ainda haja pessoas com doenças que possam ser evitáveis com imunizantes.

Em discurso durante o lançamento da campanha nacional de vacinação contra a doença, em São Paulo, Queiroga disse ser “urgente” que o país consiga recuperar as coberturas vacinais. A mobilização começa na segunda (8) e vai até o dia 9 de setembro.

O Brasil não detecta casos de poliomielite desde 1989 e, em 1994, recebeu da OPAS (Organização Pan-Americana da Saúde) a certificação de área livre de circulação do poliovírus selvagem, em conjunto com todo o continente americano.

Enquanto a doença reaparece em algumas partes do mundo, a cobertura vacinal contra a pólio no Brasil está cada vez mais longe da meta de 95% das crianças protegidas.

“É premente recuperar a cobertura, é a melhor forma de protegermos a nossa sociedade”, disse ele. Segundo o ministro, a diminuição da cobertura vacinal é um “fenômeno mundial” que piorou durante a pandemia de covid-19. Faço um apelo a todos os pais e mães, avós e avôs para que levem as crianças da sua família para as mais de 38 mil salas de vacinação do país. Não faltam vacinas, elas estão aí e elas só têm um dono: o povo brasileiro. Temos que imunizar 15 milhões de crianças contra a pólio”, disse Queiroga.

Durante o evento, realizado na avenida Paulista, região central da capital paulista, Queiroga vacinou Leonardo, 5, contra a doença. O garoto estava acompanhado do pai.

Cobertura vem caindo
A vacina inativada contra a poliomielite foi introduzida em 2012 com duas doses, mas foi ampliada para três doses em 2016. O PNI (Programa Nacional de Imunização) recomenda que elas sejam administradas aos 2, 4 e 6 meses de idade, conferindo uma imunidade que só é reforçada aos 15 meses e aos 4 anos, com as gotinhas da vacina oral.Segundo o SI-PNI (Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações, as doses previstas para a vacina inativada contra a pólio atingiram a meta pela última vez em 2015, quando a cobertura foi de 98,29% das crianças nascidas naquele ano.

Depois de 2016, a cobertura caiu para menos de 90%, chegando 84,19% no ano de 2019. Em 2020, a pandemia de covid-19 impactou as coberturas de diversas vacinas, e esse imunizante chegou a apenas 76,15% dos bebês. Em 2021, que ainda pode ter dados lançados no sistema, o percentual ficou abaixo de 70% pela primeira vez, com 69,9%.

A queda das coberturas vacinais no continente americano fez a Opas listar o Brasil e mais sete países da América Latina como áreas de alto risco para a volta da doença. O alerta ocorre em um ano em que o Malawi, na África, voltou a registrar um caso de poliovírus selvagem, e a cidade de Nova York, nos Estados Unidos, notificou um caso de poliomielite com paralisia em um adulto que não teria viajado para o exterior.

A infecção pelo poliovírus é muitas vezes assintomática, mas pode ser grave e provocar paralisias irreversíveis e fatais, já que, além dos membros, a pólio também pode paralisar os músculos responsáveis pela respiração. Nesses casos, a sobrevivência do paciente pode passar a depender do uso de um respirador.

Multivacinação
Aproximadamente 40 mil postos de vacinação estarão abertos para aplicar as doses das 18 vacinas que compõem o calendário nacional de vacinação da criança e do adolescente. São elas: Hepatite A e B, Penta (DTP/Hib/Hep B), Pneumocócica 10 valente, VIP (Vacina Inativada Poliomielite), VRH (Vacina Rotavírus Humano), Meningocócica C (conjugada), VOP (Vacina Oral Poliomielite), Febre amarela, Tríplice viral (Sarampo, Rubéola, Caxumba), Tetraviral (Sarampo, Rubéola, Caxumba, Varicela), DTP (tríplice bacteriana), Varicela e HPV quadrivalente (Papilomavírus Humano).Estarão disponíveis para os adolescentes, as vacinas HPV, dT (dupla adulto), Febre amarela, Tríplice viral, Hepatite B, dTpa e Meningocócica ACWY (conjugada). Todos os imunizantes que integram o PNI são seguros e estão registrados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).
Conforme o ministério, as vacinas contra a covid-19 poderão ser administradas de maneira simultânea ou com qualquer intervalo com as demais do calendário nacional, em pessoas a partir de 3 anos.
Com informações da Agência Brasil

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com.br/rss/mundo
Artigo extraído do site Notícias Ao Minuto

COMPARTILHE!