Bem-vindo(a). Hoje é - Alta Floresta - MT
Anúncio Anúncio

Erdogan adota dualidade na diplomacia para lidar com as próprias crises na Turquia

Erdogan adota dualidade na diplomacia para lidar com as próprias crises na Turquia
Nos siga no Instagram para receber as notícias em primeira mão!

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Em “O Poderoso Chefão”, o mafioso Michael Corleone de Al Pacino diz que aprendeu com o pai a manter os amigos por perto, mas seus inimigos ainda mais. A máxima lembra a estratégia atual do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, que nos últimos meses tem apertado a mão de líderes aliados e se aproximado de países vistos como adversários.

Nesta quinta-feira (15) ele chegou ao Uzbequistão, por onde passou o chinês Xi Jinping e onde o turco vai se encontrar com autoridades locais e com o russo Vladimir Putin em reunião da Organização para Cooperação de Xangai -grupo que busca defender a segurança de países da Ásia e da Ásia Central. A Turquia não integra o colegiado, mas Erdogan insiste em se projetar como moderador em um período de crises entre Ocidente e Oriente.

É a terceira vez que ele se reúne presencialmente com Putin em menos de dois meses. Na última, em Sochi, os dois conversaram sobre ampliar a cooperação nas áreas de comércio e energia -enquanto o restante da Otan, da qual Ancara faz parte, tenta cortar laços econômicos com os russos. Duas semanas depois, o turco foi a Lviv, no oeste da Ucrânia, onde disse estar do lado de Volodimir Zelenski.

Embora tenha reforçado conexões com Moscou, a Turquia ainda é a principal adversária do Kremlin na disputa de influência no Cáucaso e no mar Negro, e Erdogan e Putin estão em lados opostos no conflito entre Azerbaijão e Armênia –que voltou a se acirrar nesta semana.

“Os países da Otan debatem sobre o que oferecer aos turcos para que eles continuem juntos com o Ocidente, mas isso ainda não está definido”, diz Dorothée Schmid, analista-chefe do setor de Turquia do Instituto Francês de Relações Internacionais.

Erdogan, de toda forma, já apresentou uma reivindicação, ligada à aceitação para a admissão de Finlândia e Suécia à aliança: que a Europa ajude Ancara a prender militantes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que ele considera terroristas e estão exilados em países nórdicos.

A dualidade externa, apontam analistas, têm raízes na fragilidade interna. A lira turca registra uma desvalorização histórica em 2022, e a inflação ultrapassa os 80% ao ano -consequências diretas da pandemia de Covid-19 e da Guerra da Ucrânia.

Além disso, Erdogan deve enfrentar nas eleições do ano que vem a mais forte oposição desde que assumiu o poder, em 2003. “A crise econômica tem feito com que ele perca parte do seu eleitorado, principalmente os pobres e a classe média baixa”, diz Schmid.

Estaria aí a principal justificativa para a mediação que Ancara buscou desempenhar nas negociações entre Moscou e Kiev para desobstruir exportações de grãos –a Turquia, talvez não por acaso, foi destino de 36% dos navios que partiram da Ucrânia desde os acordos com a ONU.

A oposição a Erdogan se mune também de retórica anti-imigração. O país abriga 3,6 milhões de refugiados sírios que, na visão de parte da população, competem por vagas de empregos. Nas últimas semanas, o presidente turco deu sinais de que pretende voltar a negociar com a ditadura de Bashar Al-Assad –seu antigo rival. Um eventual pacto poderia envolver a deportação de refugiados, aplacando as críticas nessa seara.

A crise econômica contribuiu também para a retomada diplomática que Ancara encampou com outras nações do Oriente Médio, principalmente Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita e Irã.

“A Turquia precisa de dinheiro, e seus líderes sabem que, hoje, as perspectivas de crescimento são sombrias, porque dependem principalmente dos investimentos da União Europeia, que também está em dificuldades. Por isso Ancara voltou a conversar com as nações do Golfo”, afirma Schmid.

Soma-se à mudança de postura de Erdogan o recente acordo com Israel, país com o qual a Turquia não tinha relações desde 2018 –quando 60 palestinos morreram em protestos contra a mudança da embaixada dos EUA para Jerusalém, ideia de Donald Trump. “A questão palestina tem perdido relevância. O mais importante agora é a estabilidade regional”, diz Christoph Ramm, pesquisador na Universidade de Berna.

Mas o líder turco manteve a dualidade: dias depois do anúncio com Tel Aviv, ele recebeu Mahmoud Abbas em Ancara e garantiu que a retomada dos laços com os israelenses não enfraquecerá as relações com a Autoridade Palestina.

O cerco de alianças ajuda também a demonstrar autoridade dentro do país. “A Turquia está passando por seu período mais forte política, militar e diplomaticamente”, disse ele a milhares de apoiadores no mês passado. Resta saber, agora, se o turco conseguirá sustentar o diálogo moderador com os adversários ou se, como Corleone, terminará sozinho após sacrificar, ainda que indiretamente, seus aliados.

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com.br/rss/mundo
Artigo extraído do site Notícias Ao Minuto

COMPARTILHE!