Bem-vindo(a). Hoje é - Alta Floresta - MT
Anúncio Anúncio

Sobe para 13 total de mortos em naufrágio no Pará

Sobe para 13 total de mortos em naufrágio no Pará
Nos siga no Instagram para receber as notícias em primeira mão!

A Secretaria de Segurança Pública do Pará (Segup) confirmou, hoje (9), o resgate dos corpos de mais duas vítimas do naufrágio da lancha Dona Lourdes II, que afundou na manhã de ontem (10), perto da Ilha de Cotijuba, em Belém, no Pará.

Ao menos 13 mortes já tinham sido confirmadas até esta manhã. Entre as vítimas, há dez mulheres, dois homens e uma criança. Nas primeiras horas após o acidente, autoridades chegaram a falar em 14 óbitos, mas, no fim do dia, o governo paraense corrigiu o número, informando que 11 corpos tinham sido localizados até o início da noite de ontem.

Ainda segundo a Segup, nas últimas horas também foram resgatados mais dois sobreviventes do acidente, elevando para 65 o total de pessoas encontradas com vida. Após receberem cuidados médicos e assistência psicossocial, os sobreviventes serão ouvidos pelos responsáveis por investigar o naufrágio.

As autoridades estaduais ainda não sabem ao certo quantas pessoas estavam a bordo da lancha no momento em que ela afundou. Segundo a Segup, embora a lotação declarada fosse de 82 pessoas, incluindo a tripulação, a incerteza decorre do fato de a embarcação funcionar irregularmente, embarcando passageiros em portos clandestinos.

Suspensas durante a noite, as buscas por desaparecidos foram retomadas no início da manhã desta sexta-feira. Onze embarcações e uma aeronave estão percorrendo a região. Oitenta militares da Marinha, incluindo mergulhadores, participam das operações de busca e salvamento.

A lancha Dona Lourdes II partiu de um trapiche irregular de Cachoeira do Arari, no arquipélago do Marajó, com destino a Belém. De acordo com a Agência de Regulação e Controle de Serviços Públicos (Arcon), não só a empresa dona da lancha já tinha sido notificada, como a Marinha já a tinha impedido de utilizar outras duas embarcações (Clicia e Expresso) não autorizadas a realizar o transporte de passageiros.

Em nota, a Capitania dos Portos da Amazônia Oriental confirmou as informações da Arcon e acrescentou que instaurou um inquérito e convocará os responsáveis pela empresa proprietária das lanchas a prestar esclarecimentos sobre o acidente.

A Polícia Civil também abriu inquérito policial para investigar o acidente. A reportagem não conseguiu contato com os representantes da empresa.

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com.br/rss/mundo
Artigo extraído do site Notícias Ao Minuto

COMPARTILHE!