Bem-vindo(a). Hoje é - Alta Floresta - MT

Brasil registra maior taxa de internações de bebês por desnutrição em 14 anos

Brasil registra maior taxa de internações de bebês por desnutrição em 14 anos
Nos siga no Instagram para receber as notícias em primeira mão!

(FOLHAPRESS) – O Brasil registrou em 2021 a maior taxa de internações de bebês menores de um ano associadas à desnutrição em 14 anos. Foram 113 hospitalizações para cada 100 mil nascidos vivos.

No total, 2.979 menores estiveram internados por essa causa em todo o ano de 2021. Para efeito de comparação, é como se, diariamente, oito bebês fossem internados por problemas relacionados à desnutrição.

Em 2008, o índice era de 102 hospitalizações para cada 100 mil nascidos vivos. A taxa caiu e atingiu seu menor patamar em 2011, com 75 internações. Um ano depois, o valor voltou a subir e assim se manteve de forma paulatina até chegar ao observado no ano passado.

As informações são do Observa Infância, uma iniciativa da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) com a Unifase, com informações coletadas de banco de dados públicos. Além de desnutrição, o levantamento considera as internações causadas por outras deficiências nutricionais e sequelas que a desnutrição deixa nos bebês.

Cristiano Boccolini, pesquisador de saúde pública da Fiocruz e coordenador do Observa Infância, elenca algumas razões para o aumento no índice. Uma delas é o aumento dos preços dos alimentos, o que dificulta a manutenção de uma dieta adequada.

A diminuição na renda das famílias e o crescimento do emprego informal também colaboram para maior dificuldade financeira. O cenário ocasiona índices mais graves de insegurança alimentar e fome.

Por exemplo, uma pesquisa da Rede Penssan (Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional) já concluiu que a fome ronda 1 a cada 3 famílias brasileiras com crianças de até dez anos.

Boccolini também cita as diferenças entre os programas de transferência de renda Bolsa Família e o Auxílio Brasil. No primeiro programa, que foi descontinuado com a criação do Auxílio Brasil pelo governo Bolsonaro, crianças de até sete anos precisavam ir, a cada seis meses, a uma unidade de saúde para fazer avaliação nutricional.

Com o Auxílio Brasil, essa obrigação acabou. “O monitoramento da situação nutricional das crianças diminuiu. Então aqueles casos de desnutrição que poderiam ser resolvidos na atenção primária deixam de ser identificados e rebatem na atenção hospitalar”, explica Boccolini.

Os dados de 2022 também foram coletados, mas as informações são restritas até 30 de agosto. Mesmo assim, os números continuam altos -já foram 2.115 hospitalizações de bebês por desnutrição.

Embora a quantidade seja menor do registrado em 2021, a média diária supera aquele ano, porque os dados são referentes somente até o oitavo mês deste ano. Até então, foram quase nove internações a cada dia no ano atual.

Desigualdades regionais e raciais A pesquisa observou que as internações dos menores mantêm padrões de desigualdades de acesso à saúde já enxergadas em outras pesquisas.

Uma delas é em relação aos números de internações por cada região do país. Em 2021, o Nordeste registrou a maior média, com cerca de 171 hospitalizações para cada 100 mil nascidos. O volume supera a média nacional e destoa do Sudeste, região com índice de 72.

Questões raciais também foram levantadas. Entre janeiro de 2018 e agosto deste ano, 2 em cada 3 bebês internados por desnutrição eram negros.

Mas ainda há outro problema: nem todos os casos contam com registros de raça ou cor. Em média, em cada 3 casos, 1 não tem essa informação. “A primeira coisa que chama atenção é que precisamos melhorar os dados”, resume Boccolini.

Aumento de hospitalizações, queda nas mortes Embora mais bebês tenham sido internados por desnutrição, isso não se converte em mortes. O levantamento concluiu que a taxa de mortalidade do país por essa causa em menores de um ano está em queda de 2008 até 2020, último ano com informações disponíveis.

“Se temos um aumento da taxa de hospitalização e uma diminuição na mortalidade, podemos dizer que o SUS tem melhorado a sua eficiência […] em evitar que os casos de desnutrição grave evoluam para um desfecho como a morte”, diz Boccolini.

No entanto, as desigualdades regionais também imperam em relação à mortalidade. O Norte apresenta uma taxa de 12 bebês mortos por desnutrição a cada 100 mil nascidos vivos, a maior do país. No Centro-Oeste, esse índice é de cerca de 1 a cada 100 mil.

Para o pesquisador, chama atenção a região Norte ter a maior taxa de mortalidade por desnutrição em bebês do Brasil, já que é o Nordeste que registra maior índice de hospitalizações.

O cenário poderia ser um cenário de uma maior dificuldade no acesso à saúde público no Norte. “Enquanto as taxas de hospitalização por desnutrição no Nordeste são maiores, os índices de mortes são superiores no Norte. Isso pode indicar a questão de acesso ao serviço de saúde”, resume Boccolini.

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com.br/rss/mundo
Artigo extraído do site Notícias Ao Minuto

COMPARTILHE!