Bem-vindo(a). Hoje é - Alta Floresta - MT

Kit inventado pela UFRJ consegue diferenciar maconha de cânabis medicinal

Kit inventado pela UFRJ consegue diferenciar maconha de cânabis medicinal
Nos siga no Instagram para receber as notícias em primeira mão!

TATIANA CAVALCANTI
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Pesquisadores cariocas da Universidade Federal do Rio de Janeiro desenvolveram um kit Cannabis capaz de diferenciar a maconha ilícita da cânabis terapêutica. O modelo já está em uso pela Polícia Civil do Rio de Janeiro.

Em um pequeno tubo de plástico, coloca-se o material a ser analisado e pingam-se algumas gotas de reagentes. De acordo com os inventores, caso a mostra fique azul, em meio minuto, trata-se de droga ilegal, rica em THC (tetraidrocanabinol). Após um período de 5 a 7 minutos no reagente, se a mostra ficar violeta, trata-se de medicação à base de CBD (canabidiol).

O kit foi desenvolvido numa parceria entre a UFRJ e a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz). A iniciativa foi pensada para combater fraudes em terapias à base de CBD e para identificar instantaneamente a droga ilícita, de acordo com Cláudio Cerqueira, professor do Instituto de Química UFRJ e coordenador do Laboratório de Síntese e Análise de Produtos Estratégicos da universidade.

“Com a proibição da maconha, a pessoa que depende da medicação à base de canabidiol só tem a opção de importar o remédio, que vai para sua casa sem passar por uma análise. Um dos objetivos desse kit é proporcionar segurança terapêutica”, afirma Cerqueira.

O professor lembra que o canabidiol, presente na medicação, pode trazer benefícios ao tratamento de pacientes com doenças neurológicas como mal de Parkinson, mal de Alzheimer, esclerose múltipla, convulsões, fobias e intensa ansiedade, entre outros.

O pesquisador sênior da Fiocruz André Luís Mazzei, que faz parte da equipe de pesquisadores, afirma que o kit vai ser barato e acessível. Ele destaca que o teste poderá ser realizado em aeroportos, por cuidadores de idosos, por médicos e pelos próprios pacientes em domicílio.

“Nossa ideia, também, foi fazer um ensaio de campo e de triagem para ver se o paciente estava realmente tomando o CDB. A cânabis medicinal não pode ter [concentração de] THC [maior que 0,3%], é fraude. Isso é um direito do consumidor”, diz Mazzei.

Há três anos, o motorista Ricardo Nogara, 54, fornece medicamentos à base de canabidiol para o filho Enzo, 5, aprovados pena Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), sendo um deles importado dos Estados Unidos. Antes dessa terapia, o garoto sofria 20 convulsões por dia.

Apesar de confiar na medicação, especialmente pelos bons resultados, Nogara afirma não ter certeza do que vem na composição ou se a concentração está correta. “A gente só sabe que é diluído em óleo. Eu me sentiria mais seguro tendo uma forma prática de testar os remédios que eu dou para meu filho.”

Segundo a Anvisa, há duas formas de acesso ao CBD no país: a compra de um produto autorizado em farmácia e drogaria ou a importação para uso excepcional. São 20 produtos autorizados que podem ser comercializados no Brasil, diz a agência.

O professor Cerqueira lembra a vantagem do modelo para identificar rapidamente a cânabis ilegal. “Teve gente que falou que eu queria fazer uma guerra contra as drogas, mas na verdade, fiz um kit também para atender ao local de crime e ajudar os cientistas forenses.”

O professor destaca ainda a praticidade. “Vai ser fácil para o perito fazer o teste. Poderá ser feito também por um agente da investigação. Quanto mais você facilita para as pessoas no local do delito, mais rápida é a resposta e a solução do crime.”

Denise Pires de Carvalho, reitora da UFRJ comemora o feito. “Se houver dúvida sobre a composição, pode usar o kit para saber se é Cannabis terapêutica ou maconha, que é ilícita no país. Somos os únicos no Brasil a produzir esse reagente. É uma inovação tecnológica realizada por cientistas na nossa universidade e que vai beneficiar nossa sociedade. “

O kit DLM Cannabis, como é chamado, foi inspirado no teste Duquenois-Levine, já aplicado em cocaína, com a diferença que o teste brasileiro incorporou a cor violeta. O tempo do teste também passa a ser uma evidência.

Já existem kits semelhantes no exterior, mas com valores elevados e com reagentes que evaporam em temperatura acima de 19º C, o que impossibilitaria o uso em ambientes externos no Brasil. O modelo nacional tem componentes que permitem a ebulição a 120º C.

“Se adapta ao calor de altas temperaturas do Rio ou de qualquer cidade de um país tropical”, afirma Mazzei.

O protótipo carioca será patenteado pela UFRJ e Fiocruz. O valor da unidade ainda não foi estabelecido, mas o modelo está em negociação para ser comercializado.

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro investiu R$ 248 mil em protótipos da equipe da UFRJ que, além do kit Cannabis, também já produziu materiais para detecção de sangue, cocaína e até um marcador fluorescente para proteger mulheres sob medidas protetivas.

Cerqueira revela que quando criou o kit, seus pais já haviam sofrido as consequências do mal de Alzheimer. “Se eu tiver a doença também, quero ser tratado com cânabis medicinal. Esse kit pode viabilizar o tratamento de tantas outras pessoas.”

Procurada, a Polícia Civil do Rio de Janeiro confirmou que está na fase inicial de utilização do kit Cannabis, mas que indicará um porta-voz para comentar só após usar o material por mais tempo.

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com.br/rss/mundo
Artigo extraído do site Notícias Ao Minuto

COMPARTILHE!
WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE