Bem-vindo(a). Hoje é - Alta Floresta - MT

"Greenwashing": Greta Thunberg anuncia que vai boicotar COP27 no Egito

"Greenwashing": Greta Thunberg anuncia que vai boicotar COP27 no Egito
Nos siga no Instagram para receber as notícias em primeira mão!

A ativista ambiental sueca Greta Thunberg fez duras críticas à organização da COP27, a conferência internacional para discutir medidas de combate às alterações climáticas, anunciado que não vai marcar presença no evento que se realizará no Egito, de 6 a 18 de novembro.

Na apresentação do seu livro em Londres, citada pelo The Guardian, Greta Thunberg elencou algumas das críticas que muitas organizações não-governamentais (ONG) fazem ao evento – seja à falta de resultados concretos em outras COP, seja pela escolha do local.

“Não vou à COP27 por várias razões, mas o espaço para a sociedade civil este ano está extremamente limitado”, afirmou a sueca, de 19 anos, aludindo à controvérsia em torno da localização do evento.

Thunberg acrescentou ainda que “as COP são usadas maioritariamente como uma oportunidade de os líderes e as pessoas no poder para terem atenção, usando formas diferentes de ‘greewashing'” – o conceito consiste em empresas e governos usarem marketing ecológico e verde de forma a melhorar a imagem externa, ocultando assim páticas pouco ecológicas.

Para a ativista, que deu alento à fundação de movimentos de greves estudantis para alertar para o combate contra as alterações climáticas.

Este ano, a COP realiza-se em Sharm el-Sheikh, uma cidade turística egípcia junto ao Mar Vermelho. Muitos governos e ONGs acusam a organização de ajudar o regime do Egito, liderado por Abdul Fatah Al-Sisi, ao legitimar o governo através da conferência, apontando o dedo para os mais de 60 mil presos políticos no país – com Greta Thunberg destacando, no Twitter, a sua solidariedade pelos “prisioneiros de consciência” no país.

Entre esses presos políticos está Alaa Abd El-Fattah, uma das principais vozes da revolução egípcia durante a Primavera Árabe de 2011, que derrubou a ditadura de Hosni Mubarak. No entanto, anos mais tarde, o Egito está de novo sob o controle de um regime ortodoxo que reprime liberdade de expressão e liberdade de imprensa – segundo a ONG Reporters Without Borders, o Egito é dos países que mais jornalistas prende no mundo, situando-se no 168.º na lista de 180 países medidos (apenas à frente de países como a Síria, a China, Cuba, Irão ou a Coreia do Norte)

Entidades como a Amnistia Internacional e a Greenpeace já pediram que o Egito abrisse a porta a movimentos cívicos e libertasse presos políticas, numa petição assinada por Greta Thunberg.

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com.br/rss/mundo
Artigo extraído do site Notícias Ao Minuto

COMPARTILHE!