Bem-vindo(a). Hoje é - Alta Floresta - MT

Argentina encerra espera de 36 anos pelo título mundial

Argentina encerra espera de 36 anos pelo título mundial
Nos siga no Instagram para receber as notícias em primeira mão!

ALEX SABINO E LUCIANO TRINDADE
LUSAIL, QATAR (FOLHAPRESS) – Um dos comerciais mais conhecidos da história da TV argentina foi feito pela cervejaria Quilmes para a Copa do Mundo da África do Sul, em 2010. A cada quatro anos, antes de um novo torneio da Fifa, ele reaparece em compartilhamentos nas redes sociais ou visualizações no YouTube.

A popularidade é por conseguir captar a essência da roda gigante do que foi torcer pela seleção de 1986, quando Diego levou a equipe ao título, a 2022, quando Lionel Messi repetiu a dose.

Com o nome de “Bendito sea” (bendito seja, em espanhol), a propaganda intercala o que é bendito e o que é maldito na relação dos argentinos com a Copa do Mundo no hiato de 36 anos sem ser campeão.

“Malditas sejam as recordações dolorosas, maldita a impotência, a injustiça que vivemos, voltarmos para casa cada um para um lado, as finais sem jogar e ficar pelo caminho. Bendita seja a anestesia geral das nossas dores, a tristeza que curamos com abraços, as gargantas que se arrebentam com os gols, o sentir que somos os melhores por um tempo”, diz o texto da propaganda que também fala nos “grupos da morte” e nos “controles sem avisar que acabaram com a nossa sorte”, lembrando dos testes antidoping.

A explosão popular com a campanha na Copa do Qatar resume a espera pela volta ao topo pela seleção que ganhou pela primeira vez apenas em 1978. Isso apesar de ter construído equipes que poderiam ter vencido antes.

Finalista em 1930, a Argentina seria favorita na década de 1940, mas não pôde jogar porque os Mundiais foram suspensos devido à II Guerra Mundial (1939-1944).

A seleção depois teve momentos traumáticos, como a derrota nas quartas de final de 1966 para a Inglarerra em Wembley. Expulso, o capitão Antonio Rattín se recusou a deixar o campo até que um tradutor fosse chamado, assim ele poderia conversar com o árbitro alemão Rudolf Kreitlein.

Ao sair, puxou a bandeira inglesa que estava no pau de escanteio. O técnico Alf Ramsey chamou os argentinos de “animais”.

Em 1970 foi pior ainda. A seleção sequer foi à Copa, batida nas eliminatórias pelo Peru dirigido pelo brasileiro Didi.

“Sabemos que está uma loucura na Argentina. Chegam as imagens e é incrível”, constatou o goleiro Emiliano Martínez com a festa popular a cada vitória da equipe no Qatar.

Durante a pandemia da Covid-19, a TV do país mostrou todos os jogos da Copa de 1990, para lembrar os 30 anos da campanha que terminou com o vice. Torneio em que a Argentina chegou à final apesar de acumular lesões e jogar mal. Mas o torneio é lembrado com carinho pela presença de Maradona e pela percepção de que foi prejudicada na final pelo juiz mexicano Edgardo Codesal.

Cada campanha, toda desilusão em Mundiais tem um símbolo, uma jogada que marcou a história. Provocando cicatrizes nos torcedores, às vezes.

Em 1994 foi Diego Maradona saindo de mãos dadas com a enfermeira americana Sue Carpenter, em Boston, depois do jogo contra a Nigéria. Iria para o doping que encerraria sua carreira em Copas e selaria o destino do time na competição nos EUA.
Quatro anos depois foi Ariel Ortega dando uma cabeçada no goleiro holandês van der Sar e ajudando na derrota nas quartas de final.

Houve o desespero de Hernán Crespo de buscar a bola no gol para tentar a virada contra a Suécia e evitar eliminação na fase de grupos de 2002. Lionel Messi sentado no banco de reservas por 120 minutos nas quartas de final diante da Alemanha em 2006. A expressão do técnico Diego Maradona após a queda também para a Alemanha em 2010.

A frase “era por abajo!” (era por baixo) que entrou para o folclore do futebol local porque, se o atacante Rodrigo Palacio tivesse chutado rasteiro e não tentado encobrir o goleiro Manuel Neuer, a Argentina teria sido campeã em 2014. Jorge Sampaoli perguntando para Messi “vou colocar o Kun, está bem?” em 2018, durante o confronto com a Nigéria. O símbolo da desorganização e da perda de comando da seleção na Rússia.
“Não há como não se emocionar”, constatou o técnico Lionel Scaloni, antes da final contra a França, em 2022, ao perceber o quanto o título seria importante para o seu país.

À meia-noite de domingo (18), dia da final no Qatar, as emissoras de TV abertas exibiram vídeo dos jogadores cantando o hino nacional.

“Estar emocionado é parte da cultura argentina, de como se vive o jogo. Temos a melhor torcida do mundo e que estava necessitada desta alegria. É mais do que o futebol, faz as pessoas felizes. E que esta campanha tenha feito as pessoas felizes nos deixa emocionados”, completou o treinador.

Entre o bem e o mal do comercial da cerveja, o Mundial de 2022 foi o mais bendito de todos.

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com.br/esporte
Artigo extraído do site Só Notícias

COMPARTILHE!
WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE