Bem-vindo(a). Hoje é - Alta Floresta - MT

Deschamps se aproxima do fim da era mais vitoriosa da história da França

Deschamps se aproxima do fim da era mais vitoriosa da história da França
Nos siga no Instagram para receber as notícias em primeira mão!

LUCIANO TRINDADE E ALEX SABINO
LUSAIL, QATAR (FOLHAPRESS) – Desde que a França foi campeã mundial em 1998, nenhum país chegou mais vezes à final da Copa. Foram três: 2006, 2018 e 2022. Duas delas, as mais recentes, estão na conta do técnico Didier Deschamps.

Com a conquista na Rússia, em 2018, quando derrotou a Croácia na decisão, e o vice na atual edição, após a derrota para a Argentina, neste domingo (18), o treinador pode estar perto do fim de um dos ciclos mais vitoriosos de um técnico à frente de uma seleção.

Diretivo, impulsivo, admirador, supersticioso e com uma visão de jogo privilegiada, Deschamps tornou-se a alma por trás da geração mais vencedora da história da França.

Se ampliado o recorte histórico, nos últimos 24 anos, contando a vitória sobre o Brasil em casa na decisão da Copa do Mundo de 1998, os franceses acumulam quatro finais de Mundiais.

Didier Deschamps fez parte de tudo isso. O ex-volante era o capitão da equipe, liderada tecnicamente por Zinédine Zidane, autor de 2 dos 3 gols da vitória sobre os brasileiros, por 3 a 0.
Já à época, o então volante exibia em campo parte da personalidade que forjaria o treinador que ajudou a transformar a equipe francesa. Sempre foi capitão por onde passou.

O ex-meio-campista teve uma carreira extremamente vitoriosa antes de pendurar as chuteiras. Conquistou duas vezes o Campeonato Francês e uma Champions League com o Olympique de Marselha no início dos anos 1990, transformando a equipe no único time francês até hoje a faturar o troféu continental.

Depois de virar lenda em seu país, foi para a Itália, onde também construiu uma idolatria pela Juventus. Entre os títulos que colecionou, ganhou três Italianos, um Mundial de Clubes e chegou três vezes consecutivas à final da Champions. Ele ergueu a taça em 1995-96.

Ele forma, ao lado do alemão Franz Beckenbauer e do espanhol Iker Casillas um seleto grupo de capitães que levantaram as taças da Champions, da Copa do Mundo e da Eurocopa.
Onze anos depois de deixar os gramados e já como técnico, com passagens por Monaco, Juventus e Olympique, ele voltou à seleção francesa, em 2012.

Era o início do trabalho que lapidaria a geração duas vezes finalista da Copa do Mundo, com nomes como Hugo Lloris, Varane, Griezmann e Mbappé, para citar alguns de uma lista que poderia ser ainda maior se uma série de lesões não o impedisse de levar para o Qatar outros como Kanté e Pogba.

Nesses momentos de adversidade Deschamps mostrou sua força. Além da sensibilidade de escolher momentos certos de substituições, como fez ao longo desta Copa, também não hesitou em mudar a função de seus jogadores em prol do time.

Griezmann é a maior prova disso. Poucos além do treinador francês poderiam enxergar no terceiro maior artilheiro da seleção francesa a peça que poderia suprir a carência de Pogba e Kanté no meio de campo. Mas ele não só fez isso, como viu o atacante se provar um verdadeiro polivalente.

Não é qualquer um que poderia fazer isso. É preciso conhecer bem seus jogadores. Com dez anos à frente do elenco, sendo o mais longevo entre os técnicos que trabalharam na Copa do Mundo no Qatar, Deschamps sabia o que fazia.

É um conhecimento que adquiriu com uma trajetória singular no futebol. Ele é apenas um dos três nomes da história que conquistaram o torneio como atleta e treinador. A lista conta com Mário Jorge Lobo Zagallo e com o alemão Franz Beckenbauer.

No Qatar, ele buscava ainda outras marcas. Uma delas muito rara, já que apenas um homem conquistou dois títulos de Copa do Mundo seguidos, o italiano Vittorio Pozzo, que comandou a Itália bicampeã de 1934 e 1938.

O Brasil também tem um bicampeonato consecutivo, em 1958 e 1962, mas no primeiro foi comandado por Vicente Feola e, no segundo, por Aymoré Moreira.

Deschamps deixou escapar essa oportunidade, mas nada que apague ou manche a vitoriosa história que ele construiu no futebol, sobretudo à frente da seleção francesa.

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com.br/esporte
Artigo extraído do site Só Notícias

COMPARTILHE!
WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE