Bem-vindo(a). Hoje é - Alta Floresta - MT

Em vídeo, ruralista diz que financiou atos para manter ‘nosso capitão no governo’

Em vídeo, ruralista diz que financiou atos para manter ‘nosso capitão no governo’
Nos siga no Instagram para receber as notícias em primeira mão!

O procurador-geral de Justiça de Mato Grosso, José Antônio Borges Pereira, sugeriu ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, que bloqueie as contas bancárias e a quebra de sigilo do produtor rural Mauridis Parreira Pimental, o ‘Dide Pimenta’, apontado como suspeito de organizar e financiar atos antidemocráticos.

A solicitação se dá após circular nas redes sociais um vídeo em que o homem de Campinápolis, a cerca de 540 quilômetros de Cuiabá, diz ter ajudado, com um grupo de amigos, no deslocamento de oito ônibus transportando indígenas a Brasília para engrossarem atos contrários ao resultado das eleições.


O auxílio teria se dado após ‘Dide Pimenta’ ter disso procurado pelo Cacique Tserere, bolsonarista preso pela Polícia Federal sob suspeita de supostos crimes de ameaça, perseguição e abolição violenta do Estado Democrático de Direito.

A ordem de prisão do líder indígena, decretada pelo ministro Alexandre de Moraes, foi o estopim para atos registrados em Brasília na segunda-feira, 12, quando foram ateados em fogo ônibus e carros. Manifestantes ainda tentaram invadir a sede da PF na capital federal.

No vídeo que circula nas redes, o produtor rural ainda menciona que, além de terem prestado apoio para deslocamento dos grupos à Brasília, ‘estão com dificuldades de mantê-los’ na capital federal, pedindo doações financeiras. “Estamos empenhados nessa luta, junto com o Tserere e com os Xavantes para manter a nossa democracia e nosso capitão no governo”, diz Mauridis Parreira Pimental no arquivo.

Considerando a gravação em que ‘Dide Pimenta’ diz ter prestado apoio, ‘tanto para o deslocamento como para manutenção de indígenas em Brasília, para participar dos atos antidemocráticos’, o Ministério Público de Mato Grosso argumenta que o produtor rural também deve ser alvo das medidas decretadas contra supostos organizadores e financiadores das manifestações.

“Até porque, desde a circulação do vídeo nas mídias sociais – por meio do qual são solicitadas doações – não se pode precisar se recursos foram angariados e/ou repassados com o intuito financiar os atos antidemocráticos que pairam na Capital Federal”, sustenta José Antônio Borges Pereira.

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com.br/rss/mundo
Artigo extraído do site Notícias Ao Minuto

COMPARTILHE!
WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE