Bem-vindo(a). Hoje é - Alta Floresta - MT

Jovem que morreu de Mpox ficou 50 dias sem remédio

Jovem que morreu de Mpox ficou 50 dias sem remédio
Nos siga no Instagram para receber as notícias em primeira mão!

Benício Toureiro, de 23 anos, foi internado no fim de setembro no Hospital Nereu Ramos, em Florianópolis, por causa da dor que sentia com as feridas da varíola dos macacos (monkeypox ou mpox). Dois meses depois, o rapaz tornou-se a 13ª vítima da doença no Brasil. O País é o segundo com maior número de óbitos e casos no mundo e cuja resposta ao surto é vista como ineficiente por especialistas.

Internado com a doença, Benício passou 50 dias à espera do tecovirimat, o único remédio que tem se mostrado eficaz contra o vírus no mundo. O produto também é o único aprovado, em caráter emergencial, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O Brasil recebeu o primeiro lote do medicamento em agosto, mas não tem conseguido garantir uma frequência no envio de novos estoques para atender à demanda.

Em Cuiabá, um paciente de 27 anos foi internado no Hospital Universitário Júlio Muller em 21 de setembro. Seu quadro evoluiu com insuficiência renal, falta de ar, taquicardia, dentre outros sintomas. Em 4 de outubro, a equipe médica solicitou o tecovirimat ao Ministério da Saúde.

Mas o remédio não chegou e o rapaz morreu em 8 de novembro, segundo a Secretaria da Saúde de Mato Grosso. “O paciente não fez uso da medicação em razão de ela não estar disponível no Ministério da Saúde. A solicitação ficou na lista de prioridade do governo federal”, informou a pasta.

Dentre as três vítimas da mpox registradas em Minas, apenas duas tiveram acesso ao tecovirimat, apesar de todas apresentarem sintomas elegíveis para o tratamento, segundo o protocolo desenvolvido pelo próprio ministério. No Rio, o medicamento foi ofertado para dois dos cinco pacientes que morreram por complicações da doença.

Em São Paulo, que concentra a maior parte dos casos no Brasil, com mais de 4,2 mil infecções confirmadas, apenas um dos três pacientes que morreram se tratou com o tecovirimat. A Secretaria de Estado de Saúde não informou, entretanto, se o remédio foi solicitado para as outras duas.

RISCO

O remédio é essencial para frear o avanço da varíola dos macacos nos humanos, principalmente nos que têm algum tipo de imunodepressão, como HIV, transplante ou quimioterapia recente. Em agosto, o ministério informou ter conseguido os primeiros lotes do remédio, após doação da fabricante, a SIGA, e disse estar em negociação com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), braço da Organização Mundial da Saúde (OMS) no continente, para receber novas remessas.

“Tentamos com os órgãos públicos, com o prefeito, com pessoas do Ministério Público, com quem a gente podia. Mas todos falaram que, infelizmente, era assim, teria de esperar”, conta Brunna Toureiro, de 31 anos, irmã de Benício. Ela e o pai, o motorista de frete Amabilio Ferreira, de 57 anos, entraram em contato com conhecidos nos Estados Unidos, onde o remédio está disponível desde agosto.

CRITÉRIOS

Em agosto, na época da entrega do primeiro lote, o governo federal disse que os critérios de distribuição tecovirimat ficariam a cargo do Centro de Operação de Emergências para monkeypox do ministério. Mas esses parâmetros ainda não são claros nem para as equipes médicas que pedem o tratamento. No Espírito Santo, um paciente aguarda o tratamento desde 17 de outubro e, segundo a Secretaria da Saúde local, “ainda não há previsão para o envio”.

Já o Rio Grande do Norte teve acesso ao remédio para dois pacientes. Um deles foi solicitado em 15 de outubro e esperou 35 dias. No segundo caso, foi pedido em 3 de dezembro e chegou só três dias depois. O tecovirimat de Benício chegou somente em 19 de novembro, após o Hospital Nereu Ramos ter negociado diretamente com o laboratório produtor. “Se a gente tivesse esperado o Ministério da Saúde, talvez não teríamos conseguido nem esse tratamento”, disse Eduardo Macário, superintendente da Vigilância em Saúde de Santa Catarina.

O pedido foi feito ao governo federal em 7 de outubro. Após ficar sem resposta ou previsão de entrega, o hospital conseguiu contatar a fabricante do remédio, que doou cinco tratamentos para uso compassivo. Como o ministério teve de intervir no processo de importação e Santa Catarina tinha apenas Benício na fila, segundo Macário, os outros quatro foram redistribuídos aos outros Estados.

“Foi difícil, porque o ministério não tem estoque estratégico. Os tratamentos que chegaram foram totalmente consumidos”, aponta ele. “O que preocupa a gente e todos os Estados é a ausência desse estoque estratégico. Se existisse, talvez não tivesse demorado 30 dias para o remédio chegar.”

Segundo Macário, a recomendação de uso do tecovirimat é “o quanto antes”. A maioria dos estudos e pesquisas recentes aponta que os sinais de melhora começam a se intensificar após 14 dias de tratamento. Benício morreu no décimo dia da medicação. Ele não resistiu a uma infecção generalizada. Ao longo dos 50 dias em que Benício esperava a chegada do tecovirimat, a varíola dos macacos se espalhou de modo desenfreado pelo corpo.

NOTA

Em nota, o ministério informou ter recebido 28 tratamentos contra a mpox, por meio de doação da OMS e do laboratório fabricante. O último lote, com 16 tratamentos, foi recebido em novembro e utilizado em dez pacientes elegíveis.

Os critérios para uso compassivo do medicamento são: resultado laboratorial positivo com lesão visível ou paciente internado com a forma grave. Para esse segundo grupo, leva-se em conta a presença de encefalite, pneumonite, lesões cutâneas com mais de 250 erupções pelo corpo, entre outros sinais. “O Ministério da Saúde segue em contato com a OPAS/OMS para aquisição de mais tratamentos, além de contato com outros países para verificar a possibilidade de doações”, acrescentou.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com.br/rss/mundo
Artigo extraído do site Notícias Ao Minuto

COMPARTILHE!
WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE