Bem-vindo(a). Hoje é - Alta Floresta - MT

Nova presidente do Peru prepara anúncio de gabinete

Nova presidente do Peru prepara anúncio de gabinete
Nos siga no Instagram para receber as notícias em primeira mão!

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Com a missão de superar a crise institucional que chegou ao ápice com a tentativa de golpe de Pedro Castillo, a nova presidente do Peru, Dina Boluarte, deve formar nesta quinta-feira (8) seu gabinete ministerial. Os nomes anunciados permitirão sentir o pulso da orientação de seu governo e estimar as possibilidades de que o país viva enfim algum período de estabilidade política sob nova direção.

A primeira mulher presidente do Peru prometeu um tempo de trégua, um governo de unidade nacional e um “gabinete de todos os matizes”. Prometeu ainda que cumprirá seu mandato integralmente, permanecendo no cargo até 28 de julho de 2026 -o que a diferiria de quase todos os seus antecessores desde 2016, um retrato do nível de instabilidade do Peru dos últimos anos.

Boluarte, 60, foi uma das primeiras a chamar os atos de Castillo pelo nome na quarta-feira (7). “É um golpe que agrava a crise política e institucional, que a sociedade peruana terá que superar com estrito cumprimento da lei”, escreveu em sua conta no Twitter.

Horas depois, chegava ao Congresso convocada pelo Legislativo para fazer o juramento que a consagrou como a nova ocupante da Casa de Pizarro, sede da Presidência do Peru.

Esta quarta começou a se desenhar como o dia mais tumultuado da história recente do Peru quando Castillo fez um pronunciamento à nação decretando estado de exceção e ordenando a dissolução do Parlamento e a convocação de novas eleições. Ao fazê-lo, o então ex-presidente distorceu as prerrogativas previstas pela Constituição e, portanto, viu seu ato receber o rótulo de tentativa de golpe.

O Congresso, em tensão constante com o chefe do Executivo desde o início de seu mandato, na prática ignorou os desmandos de Castillo e deu prosseguimento à votação da terceira moção de vacância contra o líder populista -uma espécie de processo de impeachment.

Até a véspera, tudo indicava que o presidente sobreviveria mais uma vez à tentativa de destituição, mas as medidas inconstitucionais que ele adotou horas antes inverteram o jogo. A moção de vacância foi aprovada com 101 votos a favor, 6 contra e 10 abstenções -eram necessários 87 votos para a destituição.

A imprensa peruana, citando fontes policiais, afirma que o agora ex-presidente planejava deixar o país e fugir para o México. Foi interceptado, porém, pouco depois de deixar o Palácio de Governo, detido por policiais e levado à Prefeitura de Lima.

O Jornal El Comercio diz que Castillo permaneceu em Lima por mais de sete horas, o tempo todo junto de policiais. Depois, foi transferido junto com o ex-premiê Aníbal Torres para o quartel Los Cibeles, no distrito de Rimac e, de lá, partiu de helicóptero para a sede da Direção de Operações Especiais (Diroes) -o mesmo centro em que está detido Alberto Fujimori, ditador que comandou o Peru de 1990 a 2000, e pai de Keiko, principal adversária de Castillo, derrotada na última eleição com cerca de 50 mil votos de diferença.

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com.br/rss/mundo
Artigo extraído do site Notícias Ao Minuto

COMPARTILHE!
WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE