Bem-vindo(a). Hoje é - Alta Floresta - MT

Guerra da Ucrânia derruba ministra da Defesa alemã e expõe dilema da Otan

Guerra da Ucrânia derruba ministra da Defesa alemã e expõe dilema da Otan
Nos siga no Instagram para receber as notícias em primeira mão!

IGOR GIELOW (FOLHAPRESS) – A ministra da Defesa da Alemanha, Christine Lambrecht, renunciou nesta segunda-feira (16) após enfrentar uma série de críticas acerca da resposta de Berlim à Guerra da Ucrânia, iniciada há quase 11 meses, quando o russo Vladimir Putin invadiu o país vizinho.

Mais do que isso, a crise alemã expõe um dilema crescente entre os membros europeus da Otan, a aliança militar liderada pelos Estados Unidos acerca do fornecimento de armas pesadas para Kiev combater os russos.

Até dezembro, dos cerca de US$ 40 bilhões enviados em armas e ajuda militar a Kiev, US$ 24 bilhões vieram dos EUA, que querem maior participação europeia. Os países do continente temem o desabastecimento de seus arsenais e a escalada da tensão com a Rússia, arriscando uma Terceira Guerra Mundial.

A queda de Lambrecht ocorre na semana em que a Otan discutirá o tema do envio de tanques modernos para ajudar o esforço de guerra ucraniano. O governo de Volodimir Zelenski já pediu ao menos 300 blindados do tipo para tentar conter as forças russas no Donbass, o leste do país onde Moscou está colhendo suas primeiras vitórias em meses.

A questão é que o principal modelo de tanque em operação na Europa, com cerca de 2.500 unidades em 16 membros da Otan, é o alemão Leopard-2. Até por estarem no mesmo continente, seriam a opção mais óbvia de blindado pesado para ser fornecido a Kiev.

Mas Berlim hesita em envolver-se mais. Até aqui, concordou em enviar 40 blindados leves Marder, bastante letais, mas numa categoria inferior à dos tanques. Os EUA seguem a mesma política, tendo se comprometido a fornecer 50 blindados Bradley, assim como os franceses anunciaram a doação de um número incerto de tanques leves AMX.

A Ucrânia operava, antes da guerra, 957 tanques de origem soviética, a maioria T-72. A Polônia enviou cerca de 230 desses modelos para ajudar os ucranianos. Ao todo, segundo o site de monitoramento holandês Oryx, 449 já foram perdidos de forma documentada.

A pressão está sobre Berlim também porque o país precisa autorizar que outras nações operadoras de seus tanques os transfiram para um terceiro país. Nesta segunda, o governo finlandês pediu tal aval para Berlim -em processo de adesão à Otan, o país tem uma frota de mais de 200 Leopard-2.

No domingo (15), o jornal Bild am Sonntag publicou uma entrevista com o presidente da Rheinmetall, a fabricante do tanque que explicitou outra face da questão. “Mesmo que a decisão de enviar nossos Leopard fosse tomada amanhã, a entrega iria demorar até o começo do ano que vem”, disse Armin Papperger.

Ele se referia aos tanques em estoque na Alemanha: 22 Leopard-2, o que não faria exatamente diferença alguma nos combates, e 88 modelos antigos Leopard-1. Eles teriam de ser desmontados e remontados para serem operacionais.

Ou seja, para que algo seja feito de forma mais eficiente, teriam de ser enviados tanques de arsenais ativos dos países europeus. Também no domingo, o secretário-geral da Otan, o norueguês Jens Stoltenberg, prometeu que a reunião do grupo na próxima sexta (20) marcaria o “envio de armas mais pesadas”.

Até aqui, apenas o Reino Unido disse estudar o envio de um punhado de tanques Challenger-2, que o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, prometeu que serão “incinerados” se forem a campo na Ucrânia.

Como as frotas europeias não são exatamente volumosas como a russa, que tinha mais de 3.000 tanques pesados antes da guerra, perdendo o equivalente à metade disso mas mantendo sua produção, a Otan precisa fazer um “catado” desses blindados entre vários de seus membros para não desguarnecê-los.

O temor de provocar os russos é testado gradualmente. Inicialmente, americanos só enviaram mísseis portáteis. Depois, obuseiros, seguidos por sistemas de artilharia de precisão. Agora, preparam a entrega de sistemas de defesa antiaérea. Mas caças ainda são um tabu, tanto que a Polônia não conseguiu doar seus MiG-29 para Kiev.

Além dessa questão, a queda de Lambrecht acentua as críticas internas ao premiê Olaf Scholz, que assumiu no fim de 2021. Ela sempre foi considerada uma política de pouca estatura para o cargo, e quando o chefe anunciou um pacote de EUR 100 bilhões para reavivar as Forças Armadas alemãs na esteira da guerra, pouco fez na prática.

Até aqui, apenas parece ter andado a aquisição de 35 caças de quinta geração americanos F-35, ainda assim de forma atabalhoada. Além disso, a hesitação simbolizada no envio imediato de 5.000 capacetes para ajudar os ucranianos sempre pesou contra a agora ex-ministra.

O próprio estado das forças militares alemãs é alvo de crítica. No mês passado, 18 veículos de infantaria Puma, os mais avançados do país, tiveram de ser retirados de um exercício da Otan por problemas técnicos de operação. Ainda não se sabe quem irá substituir Lambrecht, mas as apostas são de que será outra mulher, para manter a proporção feminina no gabinete de Scholz.

Na Ucrânia, seguem as trocas de acusação pelo bombardeamento de um prédio residencial em Dnipro no sábado (14), matando dezenas de pessoas. Moscou diz que o edifício foi atingido por fogo antiaéreo de Kiev, que acusa um ataque com míssil balístico russo.

Nesta segunda, a tensão foi redobrada no norte do país invadido com o início de um exercício conjunto de forças aéreas da Rússia e de Belarus. O estreitamento da cooperação militar entre os aliados sugere que a ditadura de Minsk possa entrar na guerra ao lado do Kremlin, o que por ora é negado apesar das evidências. Até aqui, Putin usou o território vizinho como base para suas ações.

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com.br/rss/mundo
Artigo extraído do site Notícias Ao Minuto

COMPARTILHE!
WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE