Bem-vindo(a). Hoje é - Alta Floresta - MT

Rússia avança "sobre cadáveres dos seus próprios soldados" em Bakhmut

Rússia avança "sobre cadáveres dos seus próprios soldados" em Bakhmut
Nos siga no Instagram para receber as notícias em primeira mão!

O general Valeriy Zaluzhny, líder do exército ucraniano, ofereceu uma atualização sobre a situação na cidade de Bakhmut, onde as forças russas continuam a fazer pressão sobre as tropas de Kiev. Segundo ele, a situação na linha de frente de combate é particularmente dura na região, reporta o jornal digital Ukrainska Pravda.

Em alguns casos, as tropas russas estão, inclusive, a “avançar sobre os cadáveres dos seus próprios soldados”, no decorrer dos seus esforços para conquistar a cidade. Ainda assim, as forças ucranianas na zona estão conseguindo resistir às investidas dos militares do Kremlin, garantiu a mesma fonte.

Recorde-se que Bakhmut tornou-se um alvo-chave para a Rússia, uma vez que se encontra numa linha estratégica de abastecimento entre as regiões vizinhas de Lugansk e Donetsk. 

Assim sendo, as tropas de Moscou esperam que a sua conquista possa fazer da cidade uma plataforma a partir da qual seja possível lançar uma ofensiva mais ampla sobre território ucraniano – numa altura em que os avanços russos no terreno têm sido bastante reduzidos. 

Por sua vez, o comandante das Forças Armadas da Ucrânia acrescentou que as tropas que lidera conseguiram “manter as posições perto de Avdiivka”, em Donetsk, “e continua controlando medidas contraofensivas”.

E acrescentou: “Estamos mantendo as linhas defensivas na frente de combate em Zaporíjia em segurança, e fazendo esforços para proteger a cidade de Kherson dos ataques russos, principalmente a população local e as instalações de infraestruturas críticas”.

O general Valeriy Zaluzhny garantiu ainda que a “situação na fronteira com a República da Bielorrússia está totalmente controlada”, apesar dos receios de que uma eventual ofensiva possa partir dessa mesma zona fronteiriça.

A guerra na Ucrânia, que teve início a 24 de fevereiro, matou já, pelo menos, 6.884 civis, com outros 10.947 a terem ficado feridos, segundo os cálculos mais recentes da ONU (Organização das Nações Unidas).

 

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com.br/rss/mundo
Artigo extraído do site Notícias Ao Minuto

COMPARTILHE!
WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE