Bem-vindo(a). Hoje é - Alta Floresta - MT

Tarcísio quer aumentar vagas em comunidades terapêuticas para dependentes químicos

Tarcísio quer aumentar vagas em comunidades terapêuticas para dependentes químicos
Nos siga no Instagram para receber as notícias em primeira mão!

(FOLHAPRESS) – O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), disse nesta segunda-feira (2) que pretende aumentar vagas em comunidades terapêuticas para tratar dependentes químicos. Ele também anunciou o vice-governador, Felicio Ramuth (PSD), como o responsável para conduzir o tema na nova gestão.

A designação faz parte de um modelo a ser adotado pela nova gestão em que o governador escolhe gerentes para tratar de projetos prioritários.
“Ninguém melhor do que o próprio vice-governador para ter essa atuação transversal, falar com a secretaria de Desenvolvimento Social, com a Secretaria de Segurança [Pública] e com a Secretaria de Saúde”, disse o governador após a primeira reunião com o secretariado.

Além de disponibilizar mais vagas em comunidades terapêuticas, Tarcísio disse que irá aumentar a capacidade dos centros de triagem para usuários de drogas, e também citou aluguel social e habitações comunitárias como opções para moradia para os sem-teto. “Estamos conversando muito com a prefeitura”, disse Tarcísio.

O governador não citou, porém, se as ações serão feitas no âmbito do programa Recomeço, vigente no governo estadual para tratar de dependentes químicos desde 2013.

A iniciativa condiz com o programa federal que instituiu esse tipo de tratamento na política nacional de combate às drogas. Maior parte das comunidades terapêuticas é gerida por instituições evangélicas e católicas.

No início do ano passado, a Prefeitura de São Paulo encaminhou, em cinco meses, apenas duas pessoas para as vagas de internação para dependentes químicos em comunidades terapêuticas disponíveis por meio de convênio com o governo estadual.

Tarcísio listou outros projetos que terão prioridade nos primeiros 100 dias da gestão: leilão do Rodoanel, preparação para o [Fórum Mundial] de Davos, além dos estudos para a privatização da Emae (Empresa Metropolitana de Águas e Energia S.A.) e Sabesp.

Em relação ao projeto de privatização da Sabesp, Tarcísio afirmou que a gestão deve procurar o Banco Mundial para elaborar o modelo. “Fazer ou não a desestatização vai depender do que o modelo irá nos indicar”, disse o governador.

A privatização do Porto de Santos também foi citada pelo governador, mas com a ressalva de que o projeto depende do governo federal para sair do papel.

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com.br/rss/mundo
Artigo extraído do site Notícias Ao Minuto

COMPARTILHE!
WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE